segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Gerundismo


     Usar demais o gerúndio deixa o texto com péssima qualidade, como no exemplo a seguir: "Entendendo dessa maneira, o problema vai-se pondo numa perspectiva melhor, ficando mais claro..."
      Mas, ultimamente, o gerúndio é empregado na sintaxe portuguesa do Brasil por contaminação da sintaxe inglesa. E segundo o manifesto antigerundista, tudo começou nos serviços de telemarketing, como: "Eu vou estar mandando um fax" ou "Vou estar telefonando em breve". Traduziu-se: 'We'll be sending it tomorrow" por "Nós vamos estar mandando isso amanhã". O atendimento das moças do telemarketing contaminou a fala das pessoas. Trata-se de um estrangeirismo na sintaxe portuguesa.
      Ouros exemplos: "Vamos estar mandando isso amanhã" (uso impróprio do gerúndio) / "Vamos mandar isso amanhã"/ "Mandaremos isso amanhã" (usos próprios).
      Em Portugal, usa-se mais o infinitivo, em vez de gerúndo, mas ambas são formas nominais do verbo. O português teve trajetórias diferentes nos dois países, pois o Brasil recebeu negros, havia aqui os índios, depois vieram os imigrantes europeus, árabes e orientais, por isso ganhou várias contribuições. Em Portugal, o estrangeirismo é tratado com mais rigor, enquanto isso no Brasil é impossível, pois a população é plural, principalmente no Sudeste e Sul. Composta por muitas nacionalidades e raças.
      Usar o gerúndio indevidamente é tão grave quanto escrever marketing e show, sem aportuguesá-los. O estrangeirismo reflete outras situações, como a dependência econômica e cultural do país. Não se corrigem influências por decreto. Procurar culpados não é o caminho correto. O trabalho de conscientização é o melhor caminho.

3 comentários:

  1. Ainda não temos exercícios digitados.

    ResponderExcluir
  2. aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaain como eu to bandida

    ResponderExcluir